31 mar

VÍRUS H1N1: recorrentes casos no país deixam a população em alerta

São Paulo registrou 260 casos de Gripe H1N1 e 38 mortes, apenas no primeiro trimestre, número que alarmou todo o país (em 2015 foram 141 casos e 36 mortes em todo o Brasil). Em Minas Gerais já são três casos confirmados, sendo dois óbitos, segundo a Secretaria Estadual de Saúde. O H1N1 é um dos tipos de vírus Influenza, que é o causador da Gripe, doença que pode acarretar em sérias complicações e ser fatal. As chances da doença são maiores nos meses mais frios mas, neste ano, o vírus chegou mais cedo exigindo cuidado antecipado.

A alergista da Unimed Federação Minas, Cláudia Rosa e Silva, alerta para os sintomas da H1N1, que podem ser confundidos com a Gripe comum e dificultar o diagnóstico e o tratamento. “Os sintomas se confundem muito: dores no corpo, febre alta, tosse, dor de garganta, coriza e nariz entupindo, vômitos e diarreia, surgem nos dois casos. Ao manifestar os primeiros sintomas, a pessoa deve ter atenção à hidratação, bebendo bastante água, usar um soro fisiológico para hidratar as narinas, melhorar a alimentação, ingerindo muitas frutas (que são ricas em vitamina C), mas é fundamental procurar imediatamente o médico para o diagnóstico correto. A Gripe H1N1 pode levar a óbito se não for tratada.”

gripe-h1n1
A médica explica, ainda, que a forma mais eficaz de prevenção é a vacinação. Por isso, para tentar controlar o surto, o Governo de São Paulo está aplicando novamente a vacina contra a Gripe Cepas 2015, em antecipação a campanha de 2016, nos públicos recomendados: 6 meses a 5 anos de idade, idosos, gestantes e doentes crônicos. Mas a vacina Cepas 2016, que terá inicio no mês de maio na campanha do Ministério da Saúde deverá ser reaplicada em todos esses públicos. “Essa é uma saída que o Governo de São Paulo encontrou para tentar controlar a proliferação do vírus. As pessoas que não foram vacinadas no ano passado estão sendo vacinas agora. Mas essa vacina tem uma composição diferente da que será aplicada em 2016 e essas pessoas precisam tomar a vacina Cepas 2016, desenvolvida de acordo com a mutação do vírus, na campanha que terá início em maio”, esclarece a médica.

Em Minas Gerais, a campanha do Ministério da Saúde, também terá início no mês de maio. A vacina Cepas 2016, contém a composição para proteção do H1N1, e já está disponível nas clínicas particulares.

Cláudia explica que a vacinação previne contra a doença e também evita complicações, como uma pneumonia. Mas, associada à vacinação, outras formas de prevenção são importantes. “É fundamental manter o organismo bem hidratado, evitar cigarros – o cigarro é irritante para o trato respiratório e facilita a adesão ao vírus. As pessoas também devem lavar bem mãos sempre que tiverem contato com as vias respiratórias e, ao espirrar, proteger nariz e boca com lenços de papel descartável.”

A médica também alerta para as outras epidemias enfrentadas pelo Brasil, como dengue e zika, que possuem sintomas semelhantes aos da gripe , o que pode retardar o tratamento correto. “O vírus da gripe traz febre alta, obstrução nasal, cansaço. A febre de uma gripe dura usualmente três dias, por isso se ultrapassar 72 horas deve ser avaliada por um médico, pois há chance de se ter uma complicação. Já a pneumonia tem como principal sintoma uma dificuldade respiratória, tosse prolongada e febre alta, além da mialgia, ou dores no corpo, que são características em todas essas doenças”, esclarece a alergista.