10 ago

Taxa de colesterol no sangue: o controle pode salvar vidas

Especialista da Unimed-BH ressalta a importância da conscientização sobre os cuidados permanentes

O último dia 8 de agosto foi marcado pelo Dia Nacional do Controle do Colesterol, dia instituído com o objetivo de conscientizar a população sobre os problemas decorrentes da elevada taxa de colesterol sanguíneo. De acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 40% dos brasileiros têm colesterol alto.

A palavra colesterol já foi associada a algo maléfico, porém, ele é essencial para o bom funcionamento do organismo. “Ele é necessário para algumas funções do corpo, como a produção de determinados hormônios, mas o próprio organismo já produz a quantidade de que precisa. Assim, controlar a alimentação é muito importante para evitar altas taxas de colesterol ruim no sangue, mais do que para aumentar o colesterol bom”, explica o cardiologista da Unimed-BH, José Pedro Jorge Filho. Conforme a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, cerca de 70% do colesterol é produzido pelo próprio organismo, no fígado; os demais 30% vêm da dieta.

O cardiologista esclarece que a ingestão de alimentos industrializados é o fator que mais contribui para o aumento do colesterol no sangue, além do sedentarismo. “O mais importante no aspecto alimentar é evitar a gordura saturada e a gordura trans. Observa-se que, ao longo das décadas, a expectativa de vida das novas gerações sempre foi superior à anterior. No entanto, o receio agora, em função das questões de saúde, é que os filhos tenham menos expectativa do que os pais. A mudança de hábitos é fundamental”, ressalta.

O médico José Pedro pontua que um produto largamente adotado em dietas, o óleo de coco, prejudica a saúde quando o assunto é colesterol. “A maior parte dos óleos vegetais, como os de oliva, canola, milho, girassol e soja, são insaturados e, por isso, mais saudáveis. O óleo de coco e o azeite de dendê são as exceções, são naturalmente saturados e fazem tão mal para a saúde quanto a gordura animal”, explica.

O cardiologista orienta ainda que a reutilização de qualquer gordura vegetal também é contraindicada, pois o processo transforma o óleo insaturado em saturado. “Por isso não recomendamos o hábito de frituras em que o alimento é mergulhado na panela cheia de óleo, mesmo quando são usados óleos vegetais saudáveis”. Ele dá uma dica interessante para verificar se a gordura faz mal à saúde: colocar a gordura na geladeira. “Se formar uma camada sólida é sinal que está saturada e, portanto, faz mal”, recomenda.

Causa de problemas cardíacos

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 17,5 milhões de pessoas morrem todos os anos vítimas de doenças cardiovasculares, como ataques cardíacos e derrames. Grande parte das vítimas é acometida por alguma das principais causas evitáveis das doenças, entre elas o colesterol alto, pressão alta ou o tabagismo. Para a OMS, muitas vidas poderiam ser salvas por meio do controle dessas condições que aumentam os riscos de doenças cardiovasculares.

O designer de produtos, Osvaldo Cotrim, é um exemplo de como a mudança nos hábitos pode trazer benefícios. Ele chegou a pesar 152 quilos e, apesar de jovem, com 22 anos, já tinha um índice de colesterol alto para a idade e sofria de hipertensão. “Eu costumo dizer que não tomei vergonha, tomei um susto. Decidi me cuidar, adicionei exercícios físicos à minha rotina, melhorei minha dieta e emagreci 60 quilos. Agora, minha sensação é de tranquilidade, me sinto aliviado por evitar outros problemas que poderiam afetar ainda mais minha saúde”, relata.

Hoje, aos 26 anos, Osvaldo pesa 92 quilos e ainda quer perder mais. “Eu não caminhava nem pequenas distâncias. Meus exames estavam no limite, o que também é perigoso, e a mudança foi motivada pelo medo, pois tinha consciência dos problemas de saúde. Sugiro que todos tenham bom senso em relação à alimentação e pratiquem exercícios. Já sinto as melhoras diariamente” afirma.