08 set

Colesterol: causas e tratamento

“A doutora Isabela Bussade orienta como prevenir o colesterol alto.”

 Por Paola Patrício

A maioria das pessoas pensa que o colesterol é uma gordura, mas não é. Colesterol é um álcool que precisa se ligar a uma lipoproteína para poder circular pelo sistema sanguíneo. Ele tem funções importantes no organismo humano, como por exemplo, servir de matéria prima para a produção de vários hormônios, percursos da produção de vitamina D e responsável pela produção e manutenção da membrana da célula.

Segundo a orientadora científica da Pronokal-Brasil, doutora Isabela Bussade, O colesterol ruim (LDL) contribui diretamente para a formação de placas de gordura. “Indica o risco aumentado de infarto, derrame cerebral e entupimento de artérias das pernas”, explica a profissional. Isabela ainda diz que os alimentos que aumentam o risco de tê-lo são os gordurosos e frituras. “Azeite, iogurte, linhaça, salmão, sardinha e atum, aveia e soja são todos alimentos benéficos”, exemplifica. “Já o colesterol bom (HDL) ajuda a remover o excesso de colesterol ruim do sangue e reduz o risco de formação de placas de gordura”, explica Isabela.

Colesterol em mulheres

O colesterol não é solúvel no sangue, por isso deve ser eliminado naturalmente pelo organismo. Quando isso não acontece, passa a ser prejudicial à saúde. “Para evitar que os níveis de colesterol saia da normalidade, o paciente deve ter um estilo de vida saudável, com a prática de exercícios físicos e uma alimentação saudável, dando prioridade a frutas, legumes e verduras”, aconselha Isabela.

No entanto, é necessário também ter o acompanhamento médico. “Apenas através de exames de sangue é possível aferir os níveis de colesterol no sangue”, afirma a especialista. Ela ainda diz que as complicações relacionadas ao colesterol podem depender de outros fatores, como por exemplo, presença de diabetes, hipertensão, doença cardiovascular ou idade.

Colesterol o que evitar

Imagem de agoraatibaia.com.br

Na fase da gestação o colesterol pode aumentar em até 60%. “O processo fisiológico associado à gestação e ao aleitamento pode fazer com que o colesterol se eleve, porém, nesta fase, o problema não pode ser tratado com medicamentos, apenas com cuidados alimentares, orientados por especialista”, explica Isabela. Os níveis de colesterol podem aumentar a partir de 16 semanas de gravidez.

O tratamento para o colesterol, em geral, se resume a mudança de estilo de vida, onde as pessoas devem mudar a dieta e incluir exercícios em sua rotina. Segundo pesquisas, recomenda-se ingestão de ômega 3 e diminuição de ingestão de açúcares.

Isabela Bussade*Isabela Bussade é endocrinologista, mestre em Endocrinologia pela UFRJ, professora da pós-graduação em Endocrinologia da PUC-Rio e consultora científica da PronoKal.