05 out

Bexiga hiperativa e a incontinência urinária: saiba o que são

A bexiga hiperativa e a incontinência urinária são disfunções miccionais que atingem cera de 20% da população brasileira. Urgência para urinar, vontade de ir ao banheiro mais de oito vezes ao dia e perda de urina, são os sintomas mais comuns. Quando não tratadas, estas disfunções podem levar o paciente ao isolamento, com sério comprometimento da qualidade de vida e ainda desencadear consequências emocionais, tais como ansiedade e depressão.

De acordo com o urologista Dr. José Carlos Truzzi, a síndrome da bexiga hiperativa, uma das disfunções mais frequentes e com maior impacto negativo na qualidade de vida, acomete 19% dos brasileiros. Estes números são semelhantes aos observados em estudos realizados em vários outros países da América Latina, Europa e América do Norte.

Incontinência-Urinária

Diagnóstico

Alguns fatores contribuem para gerar as disfunções miccionais. Entre os mais comuns estão o parto natural, muito esforço, doenças neurológicas, câncer, traumas e outros. Dr. José Carlos Truzzi, explica que o diagnóstico das disfunções miccionais depende fundamentalmente dos dados obtidos na história clínica (anamnese) e exame físico.

“De modo geral, alguns exames são realizados como rotina pelo fato de serem não invasivos e terem um custo reduzido. É o caso do exame de urina e a ultrassonografia do trato urinário. Estes exames permitem afastar a existência de infecção urinária, ou alterações na estrutura anatômica das vias urinárias, respectivamente. Existem, no entanto, exames que nos fornecem informações mais específicas a respeito das disfunções miccionais; é o caso da uretrocistografia, cistoscopia e principalmente o estudo urodinâmico. Este último é o exame que possibilita uma compreensão detalhada do funcionamento normal, ou alterado, da bexiga e esfíncter uretral”, detalha o especialista.

Prevenção

Algumas disfunções miccionais podem ser prevenidas por meio de medidas comportamentais e fisioterápicas. Outras, independem de ações preventivas. Em mulheres grávidas, por exemplo, a frequência da incontinência é desencadeada por manobras de esforço e de acordo com o médico, existem exercícios que podem auxiliar na redução destas perdas urinárias, ou encurtar sua permanência.

Ele ainda explica que a ingestão de alimentos condimentados, bebidas cafeinadas e o tabagismo podem favorecer o agravamento de sintomas de bexiga hiperativa. “No entanto, muitas disfunções miccionais secundárias a doenças neurológicas, como a esclerose múltipla, acidente vascular cerebral, doença de Parkinson e lesões raquimedulares podem ser conduzidas de modo mais conservador e com ótimos resultados se diagnosticadas e tratadas precocemente”, afirma.

Para simplificar a informação sobre o assunto para a população sobre o diagnóstico e opções de tratamentos de ambas as disfunções, foi produzido um vídeo em infográfico. Confira!

 

Dr. José Carlos Truzzi*Dr. José Carlos Truzi – CRM 70519-SP
Formou-se na Universidade Federal de São Paulo UNIFESP em 1990, fez a residência médica, Mestrado (1996) e Doutorado (1999) na mesma instituição | Experiência no exterior, incluindo estágios em Nova York e Los Angeles | Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Urologia o Doutor Truzzi | Suas publicações científicas incluem dois livros editados (Distúrbios Urológicos na Gravidez e Bexiga Hiperativa: Aspectos Práticos)