12 jan

7 mitos e verdades sobre o coletor menstrual

O coletor menstrual (copinho de silicone anatômico, hipoalérgico e antibacteriano) se tornou para muitas mulheres uma alternativa simples, prática, higiênica para substituir os absorventes internos e externos durante a menstruação. Porém, muitas dúvidas cercam o uso do produto. Por isso, o ginecologista e obstetra de São Paulo, Dr. Gustavo de Paula Pereira, explica alguns mitos e verdades sobre o assunto. Confira:

coletor-menstrual

 

É possível ir à academia e entrar na piscina com o coletor. Verdade! Com o coletor, a mulher pode malhar, correr e até nadar. Entretanto, nos dias de fluxo intenso, o indicado é praticar esportes com menor impacto.

O material do coletor aumenta o risco de alergias. Mito! Os copinhos são fabricados com material hospitalar e são hipoalergênicos, tornando-os  indicados para mulheres que sofrem com alergias na área íntima durante o uso de absorventes externos e internos.

Existe mais de um tamanho de coletorVerdade!  Para proporcionar mais conforto e adaptação adequada, algumas empresas disponibilizam no mercado duas opções de tamanhos: o menor, para mulheres que não tiveram filhos, e o maior para as que já são mães.

O copinho pode ser dobrado de várias formas. Verdade! Existem nove tipos de dobras diferentes para facilitar a inserção do coletor menstrual. O indicado é ir testando até encontrar a mais simples e confortável.

dobras-coletor-menstrual

Deve ser higienizado com lenços umedecidos ou álcoolMito! O indicado é que o produto seja lavado somente com água fria e sabão neutro. Recomenda-se também que, a cada ciclo, ele seja limpo com água fervente. Na hora de guardá-lo use um saquinho ou recipiente seco e arejado para evitar a proliferação de bactérias e fungos.

Não deve ser utilizado por mulheres virgens. Verdade! Não recomendamos, pois existe o risco de rompimento do hímen durante a sua introdução ou retirada do dispositivo.

O produto dura para sempre. Mito! Recomenda-se que seja trocado a cada 3 anos ou até antes, caso a paciente perceba que o copinho está com alguma rachadura ou rugosidade.

*Dr. Gustavo de Paula Pereira é médico Tocoginecologista; Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas – FCM/UNICAMP. Fez residência Médica em Tocoginecologia pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas – FCM/UNICAMP. Tem especialização em Ultrassonografia em Ginecologia e Obstetrícia pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas – FCM/UNICAMP; Mestrado em Ciências na área de Obstetrícia e Ginecologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo – FMUSP.