16 jun

Exames que devem ser feitos durante a gravidez

“A médica Ana Lúcia Beltrame fala sobre os principais exames e seus benefícios para a mãe e o bebê.”

Existem alguns exames que são primordiais para garantir a saúde das gravidas e dos bebês. De acordo com a Dra. Ana Lúcia Beltrame, especialista em ginecologia, obstetrícia e reprodução humana, os exames precisam ser feitos ao longo de toda a gestação, pois eles serão fundamentais como triagem para detecção de qualquer problema.

A doutora explica que no primeiro semestre é preciso fazer o ultrassom morfológico associado às dosagens de marcadores no sangue da gestante. Através deste exame, que possui até 98% de precisão, é possível calcular o risco de síndromes fetais causadas por alterações cromossômicas, como a Síndrome de Down.

Exames na gravidez

“É também importante fazer o teste para detecção de trissomias fetais pela coleta de sangue materno (Harmony Test). A coleta deve ser feita a partir da décima semana de gestação, podendo detectar além da Síndrome de Down, a Síndrome de Patau, Síndrome de Edwards e alterações ligadas aos cromossomos X e Y, como Síndrome de Turner e de Klinefelter”, explica Dra. Ana Lúcia.

Já para fazer um rastreamento da hipertensão precoce e um risco de trabalho de parto prematuro, é indicado o exame ultrassom morfológico. Este exame deve ser realizado entre a 11ª e a 14ª semana da gravidez e entre a 20ª e a 24ª. “Ele é importante, porque avalia detalhadamente toda a morfologia fetal, identificando determinadas malformações e permitindo a programação de alguns tratamentos que podem mudar o futuro do bebê”, afirma.

As grávidas ainda podem fazer o ultrassom em 3D, que mostra algumas lesões com mais precisão, como pólipos e miomas no interior da cavidade uterina. Estas lesões também podem ser identificadas através da histerossonografia, exame este que é feito inserindo um pequeno cateter até o útero para ser injetada uma solução fisiológica que facilita a visualização do órgão.

Já para identificar pré-eclâmpsia, que é o aumento da pressão arterial durante a gravidez, o médico pode realizar alguns exames físicos e testes de laboratórios para verificar a perda de proteína através da urina. Uma gravidez com eclampsia pode desencadear um mau crescimento do feto, diminuição de líquido amniótico e descolamento da placenta prematuro. “Quando descobrimos cedo a doença, as consequências e complicações da mesma têm chances de serem bem menores”, detalha a ginecologista.

A médica ainda informa que ao realizar todos os exames em seus períodos indicados, a mulher pode ter uma gravidez muito mais saudável e feliz, garantindo seu bem-estar e também uma boa formação de seu bebê.

*A Dra. Ana Lúcia Beltrame é médica formada pela UNIFESP – Escola Paulista de Medicina, mestre em ciências e especialista em ginecologia e obstetrícia pela Faculdade de Medicina da USP.