Categoria: Saúde da mulher

Câncer: INCA estima 600 mil novos casos entre 2016 e 2017

Câncer: INCA estima 600 mil novos casos entre 2016 e 2017

O oncologista, Dr. Augusto Takao  Pereira, dá o panorama sobre as principais formas de tratamento e prevenção


Infelizmente os casos de câncer têm sido cada vez mais frequentes no Brasil. Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer — INCA, a estimativa para o biênio 2016–2017 são cerca de 600 mil novos casos. De acordo com o Dr. Augusto Takao Pereira, oncologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, os tipos de câncer mais comuns nos homens brasileiros serão os de próstata (28,6%), pulmão (8,1%), intestino (7,8%), estômago (6,0%) e cavidade oral (5,2%). Já nas mulheres os principais serão os cânceres de mama (28,1%), intestino (8,6%), colo do útero (7,9%), pulmão (5,3%) e estômago (3,7%).

Formas de tratamento

Dr. Augusto Pereira afirma que as principais formas de tratamento do câncer são quimioterapia, radioterapia e cirurgia.

Quimioterapia: é um tipo de tratamento com uma droga ou uma combinação delas que interfere no crescimento das células do câncer. É considerado um tratamento sistêmico, isto é, age em todo o corpo do paciente e pode ser aplicada via endovenosa, subcutânea ou oral. A quimioterapia seleciona as células tumorais que estão em crescimento rápido, poupando as células saudáveis que não estão em crescimento acelerado. Porém, algumas células normais do nosso organismo também estão em crescimento rápido como as células do sangue, cabelo e intestino, e por isso podem ser atingidas pela quimioterapia causando anemia, queda da imunidade, queda do cabelo, diarréia, náuseas e vômitos.

A quimioterapia pode ser: neoadjuvante, utilizada antes da cirurgia para permitir uma ressecção mais conservadora principalmente no câncer de mama; adjuvante, realizada após a cirurgia para reduzir o risco de recidiva da doença principalmente em câncer de mama, cólon e pulmão; e paliativa, aplicada em doença metastática para controlar o crescimento da doença, aliviar sintomas e aumentar a sobrevida dos pacientes. Em alguns tipos de tumores, como de testículo e linfoma, a quimioterapia tem capacidade curativa quando usada isoladamente.

Radioterapia: é um tratamento que utiliza radiação de alta energia para danificar o DNA das células tumorais e induzir morte celular. Esse tipo de tratamento requer um planejamento bem detalhado para aplicar uma alta dose na área onde se localiza o tumor sem prejudicar as células saudáveis ao seu redor. A radioterapia pode ser aplicada externamente ao corpo ou através de sementes radioativas injetadas dentro do corpo próximo ao tumor.

A radioterapia pode ser utilizada com intenção curativa em tumores como câncer de colo de útero, próstata, pulmão, orofaringe, nasofaringe e laringe. Pode ser utilizada como complementação de uma cirurgia para reduzir o risco de recidiva local. Em doença metastática, pode ser utilizada para o alívio de sintomas como dor, sangramento pelo tumor e falta de ar por obstrução de vias aéreas.

Cirurgia: é a modalidade de tratamento com capacidade curativa em tumores iniciais e localizados. Pode ser utilizada também de forma paliativa para aliviar sintomas da doença. Deve ser realizada por cirurgião especializado em câncer, o que aumenta as chances de retirada completa do tumor sem deixar lesões residuais. Pode ser feita de forma convencional a céu aberto, por videolaparoscopia ou videotoracoscopia e por robótica.

Sequência do tratamento de câncer

Ainda segundo o especialista, a sequência de tratamento varia conforme o tipo e localização do tumor. Confira:

  • Para tumores ressecáveis, opta-se inicialmente pelo tratamento cirúrgico para ressecção completa do tumor seguindo os princípios da cirurgia oncológica. Após a cirurgia, em pacientes com características de alto risco de recidiva, pode ser oferecido quimioterapia e radioterapia adjuvantes para aumentar as chances de cura.
  • Para tumores volumosos ou em localizações mais delicadas onde a cirurgia pode comprometer a capacidade funcional e estética do paciente, pode-se realizar quimioterapia ou radioterapia inicialmente com intuito de reduzir o tumor e possibilitar a cirurgia de forma mais conservadora.
  • Para tumores metastáticos, a principal forma de tratamento é a quimioterapia que age de forma sistêmica atingindo todas as lesões que estão espalhadas pelo corpo. A radioterapia e a cirurgia nesses casos são reservadas para paliação de sintomas da doença.

“Alguns quimioterápicos podem sensibilizar as células tumorais durante a radioterapia, aumentando a eficácia quando utilizados de forma combinada. Essa modalidade combinada pode ser aplicada no tratamento curativo de câncer de colo de útero, pulmão, orofaringe, nasofaringe e laringe”, explica.

Algumas medidas protetoras identificadas:

  • Manter uma alimentação saudável

A ingestão por tempo prolongado de carne vermelha e carne processada pode contribuir para o aumento no risco de câncer de intestino devido a produção de substâncias carcinogênicas durante o seu preparo e durante a sua digestão no trato gastrointestinal. A ingestão de cálcio, vitamina D, dieta rica em frutas, verduras e fibras tem sido apontadas como fatores protetores para o desenvolvimento de câncer de intestino.

  • Evitar o tabagismo

O cigarro é fator de risco para inúmeros tipos de câncer como o de pulmão,  cavidade oral, laringe, faringe e esôfago. O melhor maneira de controlar as doenças causadas pelo cigarro é o ato de parar fumar. Os benefícios da interrupção do tabagismo já são percebidos nos primeiros 20 minutos de abstinência. Após 10 anos sem fumar, o risco de câncer de pulmão cai pela metade. Quanto mais cedo o indivíduo parar de fumar, principalmente antes dos 40 anos, menor o risco de morrer por doenças relacionadas ao cigarro. Mesmo indivíduos com idade maior de 80 anos apresentam redução na mortalidade ao parar de fumar.

  • Evitar  ingestão de bebidas alcoólicas

O consumo de bebidas alcoólicas em qualquer quantidade contribui para o risco de câncer, principalmente quando combinado ao tabagismo. Os tumores relacionados ao álcool são: de boca, faringe, laringe, esôfago, fígado, intestino e mama.

  • Manter peso corporal adequado e praticar atividades físicas

A obesidade é considerada fator de risco para câncer de mama, endométrio,  intestino e outros. O combate a obesidade é uma importante medida para redução na incidência de câncer.

  • Evitar exposição ao sol entre 10 horas e 16 horas e usar filtro solar ou outros métodos de barreira como chapéus

A exposição aos raios ultravioleta do sol é principal fator de risco para os cânceres de pele inclusive o melanoma.

Exames para rastreamento do câncer como forma de prevenção

Exame de mamografia

Exame de mamografia

Dr. Augusto Pereira explica que o rastreamento de câncer de mama com mamografia anual é indicado em mulheres a partir de 40 anos, conforme recomendado pela Sociedade Brasileira de Mastologia. Nos casos suspeitos, a confirmação do diagnóstico de câncer de mama é feito por meio da biópsia de lesões identificadas na mamografia, ultrassom, ressonância mamária ou exame clínico.

Já a detecção precoce dos tumores intestinais e dos adenomas pelos métodos de rastreamento, a partir dos 50 anos, como sangue oculto nas fezes, colonoscopia e retossigmoidoscopia é essencial para a cura ou prevenção para o desenvolvimento do câncer do intestino.

Pacientes com idade entre 55 e 80 anos, que fumaram pelo menos 1 maço por dia no período de 30 anos, beneficiam-se do rastreamento anual de câncer de pulmão com tomografia computadorizada de tórax de baixa dosagem, com redução do risco de morte de 20%.

De acordo com o médico, existem estudos com resultados contraditórios em relação a redução da mortalidade do câncer de próstata e a realização do rastreamento com PSA e toque retal anuais. O benefício das campanhas de rastreamento são controversos, pelo fato de não se saber quais casos vão apresentar evolução indolente com risco de morbidade do tratamento maior que o da própria doença. Sendo assim, a realização do toque retal e PSA devem ser discutidos com o médico.  

“A Sociedade Brasileira de Urologia recomenda que homens a partir de 50 anos devem procurar um urologista para avaliação individualizada. Para pacientes com história familiar positiva para câncer de próstata em familiares de primeiro grau ou raça negra, sugere-se a realização de rastreamento a partir dos 40 anos. O rastreamento deverá ser realizado após discussão de riscos e potenciais benefícios”, afirma.

O risco de câncer de colo de útero aumenta entre 20 e 30 anos, de modo que o rastreamento de mulheres com o exame de Papanicolau é recomendado a partir de 21 anos pelo menos a cada 3 anos. A vacinação contra  o HPV em meninas entre 9 e 13 anos, instituído pelo Ministério da Saúde, contribui para a prevenção do câncer de colo de útero.

Pesquisas científicas no Brasil para o combate a doença

A produção do conhecimento científico no Brasil tem crescido progressivamente nos últimos 10 anos. Dr. Augusto Pereira detalha que no setor de saúde, as agências responsáveis por pesquisa destinam entre 25 a 30% de seu orçamento à saúde. Porém, o investimento destinado a pesquisa ainda é baixo, correspondendo cerca de 1% do PIB do país. “A pesquisa em saúde carece de tecnologia e inovação, o que pode ser expresso pelo baixo número de patentes comparado a publicação científica” diz.

pesquisa-cientifica-cancer-no-brasil

O INCA em parceria com a Secretaria de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde e ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico — CNPq, estabeleceram o primeiro edital específico para o fomento de pesquisa em câncer no país, priorizando os cânceres de alta prevalência com possibilidade de intervenção efetiva como os de colo de útero, mama , próstata, pulmão, colorretal e neoplasias hematológicas. Por outro lado, a Política Nacional de Atenção Oncológica estabelece que a pesquisa em câncer deve ser incentivada nas diversas áreas como prevenção, controle e assistência, permitindo a interação de diferentes pesquisadores com otimização na relação ao custo-benefício.

Em relação ao desenvolvimento de drogas no combate ao câncer, o especialista afirma que as indústrias farmacêuticas são quem têm sido os principais patrocinadores deste processo. “A participação do Brasil nos estudos multicêntricos de desenvolvimento dos antineoplásicos tem crescido nos últimos anos, permitindo o acesso a pacientes brasileiros com câncer a drogas inovadoras ainda não regulamentadas pela ANVISA”, termina.

dr-augsuto*Dr. Augusto Takao Pereira (CRM 119706) é Oncologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo. Formado pela Universidade Federal de São Paulo. Residência médica em Clínica Médica pela Universidade Federal de São Paulo. Cancerologia Clínica pelo A.C. Camargo Cancer Center. Membro da Sociedade Brasileira de Clínica Médica.

                

Conheça 7 mitos e verdades sobre adiar a gestação

Conheça 7 mitos e verdades sobre adiar a gestação

A gestação é um período bastante delicado na vida de todas as futuras mamães e requer preparação e cuidados. Por isso, muitas mulheres preferem deixar a gravidez para mais tarde, após os 30 ou 35 anos, quando estão mais estabilizadas profissionalmente ou até mesmo na vida pessoal. No entanto, existem muitas dúvidas e tabus sobre a escolha de engravidar mais tarde. Por isso, a ginecologista de São Paulo, Maria Elisa Noriler, listou 7 mitos e verdades sobre adiar a gestação. Confira:

mitos-verdades-adiar-gestacao

1.

Mulheres acima de 40 anos têm mais dificuldade para engravidar. VERDADE. As dificuldades para engravidar espontaneamente aumentam, já que implicam em outros aspectos importantes como a hipertensão arterial e diabetes.

2.

A melhor maneira de engravidar é espontaneamente. MITO. Muitas mulheres podem fazer o congelamento dos óvulos até o momento que optarem por engravidar.

3

. Em épocas de epidemia, como o surto do Zika Vírus, é melhor esperar para engravidar. VERDADE. Em determinados casos, o melhor é esperar, já que continuar com o plano de engravidar pode trazer consequências ao bebê.

4.

O momento ideal, biologicamente, para a gestação está entre os 20 e 30 anos. VERDADE. Por questões anatômicas, hormonais, emocionais e funcionais. Porém, segundo a especialista o segredo para o sucesso, independente da faixa etária, é o acompanhamento com um ginecologista antes de engravidar.

5.

Mulheres mais velhas terão mais chances de engravidar espontaneamente se adotarem um estilo de vida saudável, com exercícios físicos e alimentação balanceada. VERDADE. Alguns fatores como praticar atividade física, não fumar, ingerir bebidas alcoólicas moderadamente e realizar exames anuais de prevenção ginecológica, podem intensificar as chances de gravidez espontânea.

6.

Usar pílula anticoncepcional por muito tempo faz com que a mulher fique estéril. MITO. A pílula bloqueia o eixo que coordena a ovulação. Se a mulher parar de ingerir o hormônio esse eixo volta ao normal, igualmente a ovulação.

7.

A gravidez após os 40 anos apresenta mais riscos de casos de aborto e de mal-formação fetal, além de aumentar a chance de o bebê nascer com a síndrome de Down. VERDADE. No entanto, isso não é uma regra geral. Ações como fazer um bom pré-natal e seguir todos os cuidados recomendados durante a gestação podem resultar numa gravidez tranquila.

 

dra-maria-elisa-noriler*Dra. Maria Elisa Noriler é Especialista em Ginecologia e Obstetrícia. É Médica Preceptora de Ginecologia e responsável pelo setor de Ginecologia Endócrina InfantoPuberal e Climatério do Hospital Municipal Maternidade Escola de Vila Nova Cachoeirinha desde fevereiro de 2010. Facebook/dra.mariaelisanoriler

Corrida: mulheres que praticam devem ficar atentas ao quadril

Corrida: mulheres que praticam devem ficar atentas ao quadril

A corrida traz vários benefícios para a saúde da mulher.  Além de acelerar o metabolismo, ela aumenta a capacidade cardiorrespiratória, tonifica os músculos, melhora o humor e diminui o estresse. Entretanto ao praticar a corrida é preciso tomar cuidado com o quadril, as lesões nesta parte do corpo variam de 3 a 11% do total de ferimentos nos membros inferiores e geralmente são causadas por microtraumas de repetição, gerando sobrecarga excessiva nos tecidos sem que eles tenham tempo suficiente para cicatrização.

corrida-lesoes

Para compensar a fraqueza a sobrecarga é imposta aos outros músculos, o tensor da fáscia lata e o trato iliotibial, aumentando o atrito na bursa com o osso lateral do quadril. “Com a continuidade da fricção, podem ocorrer dor, inflamação e degeneração dos músculos laterais e posteriores ao quadril”, afirma o médico e cirurgião ortopedista, especialista em cirurgia do quadril, Giancarlo Polesello.

tensor-fascia-lata

Local do músculo tensor da fáscia lata

De acordo com o especialista, um estudo demonstrou que o aumento repentino na distância semanal percorrida por mais de 30% ao longo de um período de 2 semanas pode aumentar o risco de desenvolvimento de lesões relacionadas a corrida. Menores taxas de lesões foram encontradas em corredores que não ultrapassam o aumento de 10% na distância semanal em um período de 2 semanas. Dessa forma, recomenda-se que o aumento de distância semanal percorrida não ultrapasse 10 %.

Antes de começar a correr, o médico indica realizar uma boa avaliação funcional e preparar seu corpo para a atividade que está por vir. Estes cuidados vão contribuir para a longevidade da corrida e evitar afastamento por lesões. Confira as dicas de Giancarlo Polesello, desenvolvidas junto com a fisioterapeuta, Andreza Maroneze, para evitar lesões:

Dicas de exercícios que fortalecem o quadril:

  • Ponte: deitar de barriga para cima com os braços esticados e joelhos dobrados. Contrair o abdômen e elevar o quadril, mantendo suspenso por 10 segundos e retornar. Repetir 3 vezes.
  • Prancha ventral: deitar de barriga para baixo com os cotovelos e antebraços posicionados no chão na largura dos ombros e pernas estendidas com a ponta do pé apoiada no solo. Contrair o abdômen e elevar o tronco com o corpo alinhado e paralelo ao chão, manter suspenso por 10 segundos e retornar. Repetir 3 vezes.
  • Perdigueiro: Iniciar o movimento em 4 apoios, tocando as 2 mãos e os 2 joelhos no solo. Retirar uma das mãos do chão, esticando o braço a frente e a perna oposta para trás. Manter membros suspensos por 10 segundos e retornar. Repetir 3 vezes.

 

giancarlo-polesello*Giancarlo Polesello é médico ortopedista, especialista em cirurgia do quadril. Professor e chefe do Grupo de Afecções do Quadril da Santa Casa de São Paulo e médico do corpo clínico do Hospital Sírio-Libanês.

Osteoporose: veja o que você precisa saber a respeito

Osteoporose: veja o que você precisa saber a respeito

A osteoporose é uma doença que acelera a perda de massa óssea, sendo um problema que acontece com o envelhecimento. Em algumas pessoas, a perda de massa é muito maior, devido à pouca absorção de minerais essenciais e de cálcio. Se quer entender um pouco mais sobre essa doença fique por aqui, vamos mostrar tudo o que você precisa saber sobre a osteoporose e o que fazer para evitar.

Infelizmente, a maioria dos pacientes que sofrem com osteoporose são mulheres. Em cada quatro indivíduos com a doença, três são mulheres, pois a pós-menopausa contribui muito para a perda de massa óssea. A falta do estrogênio, que é um hormônio feminino, deixa os ossos porosos como uma esponja, além disso, o envelhecimento contribui muito para o aparecimento do problema.

Essa é uma das maiores causas das quedas e fraturas em idosos, e existem alguns fatores de risco que você precisa ficar atento, como o histórico familiar de osteoporose. Se você tem parentes com osteoporose, comece a se prevenir muito antes.

osteoporose

Veja mais fatores de risco:

  • Pele branca;
  • Sedentarismo;
  • Pessoas muito magras e pequenas;
  • Bebida ou fumo em excesso;
  • Baixa ingestão de cálcio e vitamina D;
  • Alguns medicamentos como glocorticoides e heparina;
  • Doenças como diabetes, linfoma, artrite reumatoide e outros.

A coluna vertebral, fêmur e o pulso são os lugares mais afetados por essa doença. A osteoporose é o segundo maior problema de saúde mundial, ele fica atrás apenas das doenças cardiovasculares. Separamos algumas coisas que você precisa saber sobre a osteoporose, confira.

osteoporose: uma doença silenciosa

A osteoporose quase nunca apresenta sintomas, muitas pessoas só descobrem que sofrem da doença quando acontece algum acidente relacionado a perda de massa óssea como uma queda ou fratura. Se você faz parte das pessoas que tem predisposição para a doença e está entre os fatores de risco não deixe de fazer exames preventivos, dessa forma ela pode ser diagnosticada antes e você evitará fraturas.

Os ossos recebem bastante influência do estrogênio

Como comentamos esse é um hormônio muito presente nas mulheres, mas também está presente nos homens, mas em menor quantidade. O estrogênio ajuda a manter o equilíbrio entre a perda e o ganho de massa óssea e por isso as mulheres são mais afetadas pela doença, pois como já falamos, a menopausa abaixa os níveis de estrogênio bruscamente.

Diminuição da estatura pode ser sinal de osteoporose

É muito importante ficar atento aos sinais, ter muita dor nas costas e diminuição de estatura pode representar fraturas causadas pela osteoporose.

osteoporose-coluna

Envelhecimento

Cerca de 10 milhões de brasileiros sofrem de osteoporose

Ela é a segunda doença que ataca mais as pessoas, isso quer dizer que uma grande parte da população não só do Brasil, mas do mundo sofre com a osteoporose. Além disso, uma a cada quatro mulheres com mais de 50 anos desenvolve a doença. Os números são bem assustadores, cerca de 2,4 milhões de fraturas por ano acontecem por causa da osteoporose, e cerca de 200 mil brasileiros morrem todos os anos em decorrência destas fraturas.

Locais mais comuns de fratura são o fêmur e punho?

Os lugares mais atingidos pela osteoporose são os dois que já citamos e também o braço e as vértebras. Mas as fraturas mais perigosas são do colo do fêmur, pouco menos da metade dos pacientes que sofrem essa fratura morrem dentro de um ano.

Diagnóstico precoce

Como já mostramos é possível prevenir a doença e também fazer exames para saber se existe perda óssea, nesse caso a medida é feita pela Densitometria Óssea. É importante fazer essa medição a partir dos 65 anos, principalmente as mulheres, no caso dos homens é indicado fazer a medida a partir dos 70 anos. É claro que se você possui um ou mais fatores de risco deve fazer o exame bem antes, com cerca de 50 anos os homens e mulheres com fatores de risco devem fazer a medida.

Prevenção

É através da alimentação saudável que você começar a fazer a prevenção da osteoporose, é importante ingerir cálcio e produzir vitamina D, esses dois nutrientes são importantíssimos e ajudam na prevenção. Você vai encontrar cálcio em alimentos como os laticínios, feijão branco, verduras escuras, tofu e outros. É importante também ter atividades ao ar livre para produzir a vitamina D, é com a exposição ao sol que ocorre a produção Vitamina D na pele, além disso, fazer exercícios físicos e fortalecer o esqueleto é muito importante para a prevenção da doença.

O risco de desenvolver a osteoporose pode ser reduzido

É possível tomar algumas medidas para prevenir o problema, além da alimentação como já mostramos é importante tomar alguns cuidados, como por exemplo, diminuir a bebida alcoólica e o fumo.

O tratamento

Uma boa notícia é que a osteoporose tem cura, existem tratamentos eficazes e caso você já tenha a doença é possível começar a tratar antes de acontecer um acidente. Como mostramos a osteoporose nem sempre gera algum sintoma, é claro que pode aparecer alguns como dor crônica, encolhimento, deformidades e outros como a própria lesão. Mas o exame é muito importante e você deve fazer.

Os tratamentos não vão reverter a perda óssea que você já teve completamente, mas vai ajudar a evitar mais perda. O tratamento vai depender do grau de osteoporose que você tem, mas é importante prestar atenção na sua alimentação, o médico pode indicar medicamentos com cálcio e vitamina D, ter uma exposição moderada ao sol, praticar exercícios físicos como uma caminhada, e no caso das mulheres fazer terapia hormonal.

Não deixar de prestar atenção na sua massa óssea, você não pode deixar a doença se instalar e causar danos a sua saúde como fraturas e quedas. Preste atenção nas formas de prevenção e faça o exame depois de 65 anos (para as mulheres) e 70 anos (para os homens). Converse com seu médico e veja o que mais você pode fazer para prevenir essa doença que é muitas vezes silenciosa e gera muitos problemas.

Se ficou alguma dúvida não deixe de comentar também, nós podemos te ajudar e solucionar suas dúvidas, mas o mais importante mesmo é ter o acompanhamento de um médico. Não esqueça de compartilhar com outras pessoas também esse artigo, todos precisam saber como é a osteoporose e como ela ocorre.

Outubro Rosa: prevenção ao câncer de mama para o ano inteiro

Outubro Rosa: prevenção ao câncer de mama para o ano inteiro

O Sesc Saúde Mulher chama atenção das mulheres para que a prevenção ao câncer de mama se estenda por todo o ano e não somente no mês de conscientização, o Outubro Rosa. Só este ano o programa realizou 10 mil exames de mamografia, 7 mil preventivos e 30.500 atendimentos em ações educativas de promoção da saúde feminina. Os dados reforçam o crescimento do Saúde Mulher que começou em 2012, no Rio Grande do Norte e Goiás, e hoje já está presente em outros 20 estados e no Distrito Federal.

 

 

Mais sobre o Saúde Mulher

O Sesc Saúde Mulher promove ações educativas e realiza exames de mamografia e citopatológico (preventivo) em mulheres, com os objetivos de rastrear e prevenir as doenças que mais atingem o público feminino: os cânceres de mama e do colo do útero. Com ações alinhadas ao Instituto Nacional de Câncer (Inca) e ao Ministério da Saúde, as unidades móveis oferecem equipamento digital para rastreamento do câncer, além de equipes treinadas por profissionais do Hospital de Câncer de Barretos. Está presente nos estados de Alagoas, Amapá, Amazonas, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, Tocantins, Bahia, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e no Distrito Federal.

umsm-1-santa-catarina-20 umsm-1-santa-catarina-23

Durante os exames, os profissionais do Sesc orientam individualmente cada paciente dentro do caminhão. A equipe que atua é composta por um médico, um técnico em radiologia, um supervisor de Serviços Sociais e um analista de Serviços Sociais, além dos profissionais de apoio.  Os municípios que recebem o caminhão ficam responsáveis por encaminhar as mulheres com algum tipo de agravo para o diagnóstico e, posteriormente, tratamento da doença.

Para mais informações sobre o programa acesse o site do Sesc.

 

 

Outubro Rosa: 6 sinais que podem indicar câncer de mama

Outubro Rosa: 6 sinais que podem indicar câncer de mama

O autoexame pode ajudar a detectar alterações na mama e sinais que devem ser avaliados em exame clínico

O câncer de mama, assim como a maioria dos tumores, pode ser assintomático. No entanto, em muitos casos apresenta sinais que, quando notados, devem ser avaliados por um especialista. Conhecer as mamas para poder notar qualquer alteração é o primeiro passo. A melhor época para fazer o autoexame é alguns dias após a menstruação, quando as mamas estão menos inchadas.
Além do autoexame, a mamografia deve fazer parte do check-up anual da mulher a partir dos 40 anos. Este exame é eficaz para detectar tumores ainda muito pequenos, em estágios iniciais, em que as chances de cura são maiores.

6-sinais-que-indicam-cancer-de-mama

Preste atenção aos sinais de alerta do câncer de mama:

Nódulo na mama

Este é o principal sinal que pode indicar câncer de mama. A maioria dos nódulos nos seios são benignos, mas a detecção de um deve ser investigada por um médico. Caroços que são indolores, duros e irregulares têm mais chances de ser malignos, mas há tumores que são macios e arredondados.

Inversão do mamilo

Mamilos que afundam, ‘entram’ no peito também podem indicar a doença. Algumas mulheres têm o bico do peito para dentro de nascença. No entanto, se o afundamento ocorrer depois, é importante informar ao médico.

Secreção nos mamilos

O mamilo é um órgão secretor, portanto a secreção mamária é normal, principalmente se sair dos dois peitos. Os ductos secretam um líquido para retirar as células velhas, funcionando como uma espécie de “autolimpeza”. As preocupantes são aquelas incolores (água cristalina) ou com sangue, que podem ser sinal de câncer.

Dor nos seios

De acordo com especialistas, cerca de 60% das mulheres têm dor nos seios, relacionada, na maioria das vezes, à fase do ciclo menstrual ou ao uso de hormônios. A dor mamária deve ser investigada nos casos em que for moderada, forte e constante.

Alteração no tamanho ou formato da mama

Alterações no formato e tamanho da mama também podem ser provocadas por tumores benignos como o fibroadenoma, um nódulo pequeno, com até 3 cm, que aparece depois da adolescência. No entanto, caso a mulher note uma mudança anormal, é importante uma avaliação médica.

Gânglios axilares aumentados

Gânglios linfáticos costumam aumentar de tamanho quando existe um problema próximo, como infecção ou tumores. Também é normal um câncer que começa em outro lugar espalhar-se primeiro para os gânglios. Portanto, uma mudança no volume dos gânglios na axila pode ser um sinal de alerta.

Outros sinais associados ao câncer de mama:

  • Vermelhidão ou inchaço na mama;
  • Assimetria entre as duas mamas;
  • Coceira frequente na mama ou no mamilo;
  • Endurecimento da pele da mama, semelhante à casca de laranja.

Fonte: Instituto Lado a Lado pela Vida. Acesse www.facebook.com/institutoladoaladopelavida.

Outubro Rosa: reconstrução mamária auxilia na recuperação da autoestima

Outubro Rosa: reconstrução mamária auxilia na recuperação da autoestima

A mastectomia, retirada parcial ou total das mamas para extirpar o câncer de mama, prejudica muito a feminilidade e abaixa a autoestima na maioria das pacientes, o que pode desencadear o desenvolvimento de outras doenças como, por exemplo, a depressão.

“A retirada das mamas pode comprometer a autoestima e a identidade feminina das mulheres afetadas pelo câncer, ampliando o sofrimento psicológico, uma dor que transcende o sofrimento configurado pela doença em si. Considerando esses fatores, a reconstrução mamária vai além de uma questão estética e deveria ser considerada como indispensável nas propostas de atenção e tratamento à mulher portadora da doença” afirma a psicóloga Irene Carmo Pimenta.

reconstrucao-mamaria

A reconstrução mamária é um procedimento cirúrgico, cada vez mais avançado, que é capaz de trazer de volta a autoconfiança e qualidade de vida da mulher. “A cirurgia é complexa e com uma série de variações que dependem das características do tumor, do tipo de tratamento e da mastectomia pela qual a paciente for submetida”, afirma o cirurgião plástico Dr. Marco Cassol.

Nos casos em que a pele e a gordura da região mamária foram preservadas ao máximo, é possível realizar a prótese de silicone logo após a mastectomia. “Já em mulheres que perderam mais tecido, é indicado o implante de um expansor que esticará a pele e aumentará seu volume aos poucos para, em breve, dar lugar a uma prótese de silicone definitiva” comenta o médico.

Nos casos mais radicais, em que a mulher perde uma grande quantidade de gordura e pele (incluindo, muitas vezes, os mamilos e as aréolas) a reconstrução tem que ser feita por meio de um retalho, de uma parte da pele de outra região do corpo, que é utilizada para cobrir o local em que há escassez de tecidos.

“Lembrando que o médico responsável será capaz de opinar sobre qual a melhor opção para cada caso, esclarecer as dúvidas e aprofundar as informações sobre o procedimento escolhido”, finaliza Cassol.

131Dr. Marco Cassol, cirurgião plástico especialista em face feminina

Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, o cirurgião plástico, pode responder sobre botox, fios de sustentação da face absorvíveis, silicone nos seios, cirurgia para reduzir as mamas, criolipólise, microlipoaspiração, cirurgia íntima, novidades da área clínica, procedimentos estéticos, entre outros assuntos. Com mais de 15 anos de experiência, é formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Site: www.marcocassol.com.br.

Outubro Rosa: ônibus leva informação de prevenção contra o câncer de mama

Outubro Rosa: ônibus leva informação de prevenção contra o câncer de mama

Neste sábado, dia 8 de outubro, o Circuito Casa da Mulher estará no Parque da Aclimação, levando gratuitamente informação de prevenção ao câncer de mama e orientação às mulheres em tratamento. Todo customizado, o ônibus conta com um camarim profissional, sala de atendimento e estrutura para realização de atividades ligadas a conscientização. Haverá dicas de amarração de lenços e turbantes, curso de automaquiagem, cuidados com as mãos, realização de atividade física, curso de artesanato, distribuição de cartilhas e muito mais.

onibus-rosa-instituro-arte-viver-bem

De acordo com Valéria Baraccat Gyy, fundadora do Instituto Arte de Viver Bem e Casa da Mulher, a informação é fundamental na luta contra o câncer. Só neste ano, a estimativa do Ministério da Saúde é de que 57.960 mulheres recebam o diagnóstico da doença em todo o País. No estado de São Paulo serão 15.770 pessoas. E 5.550 só na capital. “Nesse Outubro Rosa, vamos nos unir a levar informação e prestação de serviço a quem nos dá a vida. Vamos cuidar das nossas mulheres”, afirma.

Valéria conta que as mulheres que retiraram gânglios não podem fazer cutícula. As sem cabelos podem ficar bonitas com bons truques de maquiagem e lenços. “Além disso, muitas mulheres em tratamento perdem seus empregos e estas ação é uma opção de futura geração de renda para elas”, declara.

 

lenco-outubro-rosa-instituto-arte-viver-bem

SERVIÇO:
Circuito Casa da Mulher,  sábado, dia 8 de outubro.
Local: Parque da Aclimação – Rua Muniz de Sousa, 1119, São Paulo – Entrada pelo portão 1
Horário: 8h às 14h

O Instituto Arte de Viver Bem – IAVB

O instituto foi criado há 8 anos pela jornalista Valéria Baraccat Gyy e, desde então, já fez milhares de atendimentos a mulheres em tratamento, 2.000 deles só no ano passado. Já distribuiu 2.5 milhões de cartilhas com informações de prevenção, tratamento e direitos legais. Criou a Casa da Mulher, com espaços multidisciplinares para receber a paciente com carinho e prestar toda a orientação para seu restabelecimento físico, emocional e psicossocial. Realizou as únicas campanhas publicitárias sobre o assunto no Brasil em 12 anos. Com Neymar Jr. e outros atletas chamou a atenção para a causa num dos pontos turísticos mais visitados do mundo, a Times Square. Mobilizou artistas e personalidades e levou o assunto até os campos de futebol para falar do preconceito.