05 abr

A gordura não é inimiga da dieta

Nutricionista explica os benefícios de ingerir gordura e qual a forma correta de se fazer isso sem prejudicar o organismo.

Quando se pensa em alimentos gordurosos, logo vem a mente que a gordura é uma inimiga da boa alimentação e, consequentemente, da saúde. Com um conselho errado, muitas pessoas cortam a gordura do cardápio alimentar como forma de proteger o corpo. Mas, de acordo com a nutricionista, Patrícia Cruz, evitar a gordura significa também a retirada de nutrientes que são importantes para o organismo. “São alguns mitos que viraram regras como a afirmação de que a gordura só faz mal. Antes de tudo é preciso saber quais gorduras fazem mal e quais fazem bem”, observa.

gordura-nao-é-inimiga-da-dieta

A especialista explica que além de reconhecer os tipos de gordura que podem ser prejudiciais ou benéficas, também é preciso saber qual a quantidade certa e quanto do produto pode ser consumido. “Comer mais gordura do que o recomendado não é bom para saúde. Porém, excluir a gordura total da dieta não é uma prática recomendável. É preciso fazer de forma saudável, optar por gorduras insaturadas”, afirma .

Por isso, é importante reforçar que a gordura pode fazer parte de uma dieta saudável que tenha como objetivo redução ponderal. Ela pode estar presente desde a primeira refeição até a última. “Não existe um melhor horário para inferir gorduras. Elas podem estar presentes em qualquer refeição desde o café da manhã até o jantar”, ensina Patrícia.

A nutricionista ainda destaca a importância de conhecer bem as possibilidades de consumo, para acabar com os mitos relacionados à gordura. Ela ainda dá algumas dicas de como o produto pode ser usado no dia a dia da cozinha e quais são seus benefícios. Confira:

Benefícios da gordura

A gordura auxilia na redução do colesterol total e da fração LDL (colesterol ruim). Além disso, ela pode reduzir as triglicérides e atua na saúde do coração.

Alimentos certos

As gorduras que fazem bem são as chamadas gorduras insaturadas que são classificadas em duas categorias: poli-insaturadas e monoinsaturadas.

Poli-insaturadas: peixes e óleos vegetais (soja, milho, girassol, canola), linhaça e nozes;

Monoinsaturadas: óleo de oliva, óleo de canola, azeitona, abacate e oleaginosas (amendoim, castanhas, nozes, amêndoas).

Quantidade ideal

A Recomendação é 35% do total calórico da dieta, no máximo. Podendo estar presente em qualquer refeição do dia. “Um exemplo é o azeite pode estar presente no almoço no preparo do arroz, legumes, tempero da salada. Já as frutas oleaginosas podem estar presentes no café da manhã, dentro de um cereal integral ou nos lanches intermediários adicionados de frutas de frutas frescas ou secas”, observa a nutricionista.

 

Nutricionista-Patrícia-Cruz*Patrícia Cruz é nutricionista, especialista em Nutrição Clínica e em Nutrição em Pediatria e mestranda em Saúde Pública. Atua em São Paulo em consultório particular e em Personal Diet.