27 ago

Depressão em Mulheres

Hoje (27) é dia do psicólogo e a doutora Graça Miquelutti explica o que é a depressão e como fugir dela.

Dizem que a depressão é a doença do século. Hoje ela é muito mais comum do que se possa imaginar. Os primeiros sintomas da doença já são logo percebíveis. A pessoa começa a sentir-se mal o tempo todo, não tem mais vontade de fazer tarefas diárias simples como, por exemplo, trabalhar ou sair para comprar algo.

Depressão-em-mulheresDe acordo com a psicóloga Graça Miquelutti Camargo, quem sofre de depressão tem a sensação de não ter controle algum de sua vida. “Eles tem a impressão de que jamais realizarão algo e que a própria experiência de vida é muito desinteressante. Os deprimidos se percebem extremamente desamparados e, na maioria das vezes, não conseguem buscar e aceitar ajuda”, declara.

Graça ainda afirma que o diagnóstico de depressão em mulheres é duas vezes maior do que em homens. Isso, pode ser dar pelos pensamentos ruminantes, as mulheres dão mais espaços a eles. Além disso, uma variedade de fatores contribui para a doença, como conflito internos, fatores ambientais e autocensura, que desempenha um papel significativo na saúde mental da mulher.

Como acontece a depressão

A depressão ocorre por uma alteração na química dos neurônios cerebrais. A depressão em si é causada por uma diminuição de neurotransmissores como a dopamina, noradrenalina e serotonina. Por isso, para o tratamento das mesmas, torna-se importante consultar um psiquiatra e buscar apoio psicológico para pacientes e familiares.

“ A depressão pode sim ter um “gatilho”, que pode ser um acontecimento triste ou nem mesmo ter acontecido nada. As pessoas mais vulneráveis à doença possuem um histórico familiar que passaram por acontecimentos como perdas ou luto na infância”, explica a psicóloga.

Tratamento para a depressão

A depressão se trata com mediação e acompanhamento psicológico. O tratamento antidepressivo deve ser realizado considerando os aspectos biológicos, psicológicos e sociais do paciente. A prescrição de antidepressivos irá depender da intensidade e frequência dos episódios depressivos.

O apoio da família pode fazer toda a diferença. A importância do relacionamento familiar presente na vida do paciente deprimido irá promover incentivo e será vital para o controle diário desta doença. A psicóloga explica que para isso, é importante que os familiares tenham sensibilidade com a situação, mas não tratem o doente de forma diferente. Não se deve esconder que os problemas existem e algo está errado. Isso incentiva a mudança.

Prevenção 

Quanto maior inabilidade de adaptar-nos às mudanças e às novidades da vida, mais propensa uma pessoa é à depressão. O desafio para uma vida mais distante da depressão é:

• Lidar com o novo
• Equilíbrio entre três universos mais importantes do adulto: O universo pessoal, o conjugal e o familiar.

Ao aceitar esses desafios e buscar as mudanças necessárias, a pessoa ficará mais objetivamente definida e poderá ter maior clareza, o que deverá fazer com seu mundo e como não deixar o mundo a levar.

 

* Graça Miquelutti Camargo, é graduada em Psicologia pela Universidade Ibirapuera, UNIB. Trabalhou como psicóloga supervisora da Universidade Federal de São Paulo e psicóloga pesquisadora do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Atualmente atende em consultório próprio.